fbpx

Insights

Sancionada lei que altera regras para o auxílio-alimentação e teletrabalho

Saiba quais trechos foram vetados pelo presidente Jair Bolsonaro

blog-padrão-texto01

Foi publicada, no Diário Oficial da União (DOU), no último dia 5 de setembro, a Lei 14.442/22, que redefine as regras para o auxílio-alimentação e regulamenta o teletrabalho. O relator da Medida Provisória (MP) na câmara foi o deputado Paulinho da Força, do Solidariedade – SP.

A nova lei foi sancionada com vetos pelo presidente Jair Bolsonaro. Por exemplo, o trecho que tratava sobre a possibilidade de saque em dinheiro do auxílio-alimentação decorridos 60 dias sem movimentação foi vetado. De acordo com o governo, a decisão foi tomada após uma consulta aos ministérios da Economia e do Trabalho e Previdência.

Segundo especialistas, o valor sacado poderia ser considerado parte do salário, portanto, passível de tributação, além de não atender o seu objetivo primário de alimentar os trabalhadores. Vale mencionar que as associações de bares e restaurantes já haviam se declarado contra a matéria, por entenderem que isso afetaria negativamente os negócios.

Sobre o teletrabalho, este passa a ser definido como “a prestação de serviços fora das dependências do empregador, de maneira preponderante ou não, com a utilização de tecnologias de informação e de comunicação, que, por sua natureza, não configure trabalho externo”.

Dentre outras mudanças, o empregado submetido ao regime de teletrabalho ou trabalho remoto poderá prestar serviços por jornada ou por produção ou tarefa. Um acordo individual poderá dispor sobre os horários e os meios de comunicação entre empregado e empregador, desde que assegurados os repousos legais.

Os empregadores deverão dar prioridade aos empregados com deficiência e aos empregados com filhos ou criança sob guarda judicial até 4 (quatro) anos de idade na alocação em vagas para atividades que possam ser efetuadas por meio do teletrabalho ou trabalho remoto.

Vale ressaltar que o regime de trabalho pode ser adotado para estagiários e aprendizes.

Bolsonaro ainda vetou outro trecho, que já havia sido aprovado pela Câmara e pelo Senado, que tratava da obrigatoriedade do repasse de saldos residuais das contribuições sindicais para os sindicatos. Para o Ministério da Economia, isso iria contrariar as leis fiscais e acarretaria despesas para a União.

Um veto só pode ser derrubado com votos da maioria absoluta tanto dos deputados quanto dos senadores.

Quer estar sempre em dia com questões de Folha de Pagamento e Recursos Humanos (RH)? A Pryor Global é referência no oferecimento de soluções para os mais variados tipos de negócios. Aumente a eficiência da sua empresa ao contratar os nossos serviços. Entre em contato e saiba mais!

Compartilhe essa postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

A Pryor Global se preocupa com o uso de seus dados pessoais. Solicitamos apenas os dados necessários para podermos retornar seu contato. Estes dados serão devidamente protegidos. Para mais informações, consulte nossa Política de Privacidade".




plugins premium WordPress
pt_BRPT_BR